.

Francisco Carlos, o Chicão, decide encerrar carreira de árbitro, após 18 anos de atuação na FAF
19/11/2021 21:24 em Esporte

Após 18 anos de arbitragem dedicados à Federação Alagoana de Futebol (FAF), Francisco Carlos do Nascimento, o Chicão, como é carinhosamente conhecido, decide fechar o ciclo como árbitro de futebol ou como se diz na gíria: decidiu pendurar o apito. Único árbitro central alagoano que chegou a integrar o quadro internacional da FIFA e com inúmeras partidas importantes no currículo, Chicão opta por seguir um novo caminho, agora na função de analista de arbitragem.Segundo ele, tal decisão foi amadurecida, ao longo dos últimos meses, após uma série de conversas com familiares e amigos mais próximos. “Tem uma fase em nossa vida que é necessário seguir novos rumos e novos sonhos. Na arbitragem, fiz centenas de amigos, representei Alagoas e o Brasil em competições internacionais. Saio de cabeça erguida e ciente de que fiz o meu melhor em campo, defendendo sempre as regras do jogo, com ética e profissionalismo”, afirmou Francisco Carlos do Nascimento.E a despedida de Chicão já tem data marcada: será no próximo dia 29, quando ele vai apitar um tempo do "Jogo da Alegria", no Estádio Rei Pelé, disputado entre amigos do alagoano Carlinhos Maia e amigos do ex-jogador Ronaldinho Gaúcho.

Amado por uns - e até odiado por outros -, durante os quase 20 anos no apito, Chicão acumula diversas atuações destacadas e de peso no futebol, assim como algumas polêmicas. Entre as partidas lembradas por ele estão a final da Copa do Nordeste entre Bahia e Sport, diversas finais do Campeonato Alagoano e de outros Estaduais pelo País, jogos da Copa Libertadores da América e Sul-Americana, amistosos entre Seleções e Eliminatórias da Copa do Mundo.

Quanto às polêmicas, a mais dolorida, por sinal, para Chicão, foi quando ele chegou a ser acusado de envolvimento em esquema de manipulação de resultados no futebol, em 2018, o que lhe rendeu o período de mais de um ano afastado dos gramados. Chicão teve o nome citado na Operação Cartola, desencadeada em 2018 pela Polícia Civil da Paraíba. Mas houve o pedido de arquivamento feito pelo Ministério Público da Paraíba (MP-PB), por falta de provas.

À época, agradecido e aliviado, Chicão comentou à Gazetaweb, ao saber sobre o arquivamento da denúncia contra ele: "Quero dizer que estou muito feliz. Sabia que seria esta a decisão. Quero agradecer a Deus, à Federação Alagoana, à ANAF, a todo povo alagoano que sempre acreditou em mim e, em especial, a minha família, a minha esposa, Andréa, e a meus filhos, Caio e Melissa".

Momento marcante

Um dos momentos mais marcantes na carreira de Francisco Carlos foi representar a arbitragem brasileira no Torneio Internacional de Toulon, na França, ainda quando pertencia ao quadro da FIFA. “Sem dúvida, aquela competição foi especial para mim. Pude desempenhar atuações em grande nível, com partidas sendo transmitidas para vários países do mundo, tendo meu trabalho reconhecido por autoridades da arbitragem mundial”, lembra o árbitro.Para o presidente da Comissão de Arbitragem da FAF, Charles Hebert, a contribuição de Francisco Carlos para o futebol alagoano foi grandiosa. “O ‘Chicão ajudou a fomentar e valorizar a arbitragem em nosso Estado sendo uma referência por ter alcançado o quadro internacional e ter realizado atuações memoráveis”.

O presidente da FAF, Felipe Feijó, agradeceu ao profissional pelo período em que esteve integrando o quadro alagoano da arbitragem. “Francisco Carlos foi um profissional dedicado e sempre teve muito zelo pela arbitragem. Tenho certeza que o seu novo caminho será importante para conseguirmos revelar novos árbitros para o futebol alagoano”, destacou.

COMENTÁRIOS