uni

Jadson analisa saída do Corinthians: 'faltou um pouco de respeito'
01/06/2020 11:08 em NACIONAL

Jadson escreveu uma história vitoriosa pelo Corinthians nas cinco temporadas em que defendeu o clube. A chegada de Tiago Nunes no comando técnico, entretanto, significou a saída do meia e de Ralf, outro ídolo da Fiel. Assim que assumiu o Timão, o treinador já havia comunicado que não contava com a dupla.

Em entrevista ao Uol Esporte, Jadson revelou chateação com a maneira que sua saída foi conduzida. O meia chegou, inclusive, a avaliar como falta de respeito pelo histórico no clube.

 

"O que me deixou mais chateado foi o que fizeram na reapresentação. Pelos anos que eu e o Ralf passamos no clube, a maneira como a gente defendeu o Corinthians, poderiam ter deixado a gente se reapresentar com o restante do grupo. Faltou um pouco de respeito", analisou.

Apesar da saída frustrante, Jadson não fechou as portas para um retorno ao clube. O meia mostrou esperança em uma despedida especial com a torcida corintiana.

"Ainda tenho esperança de que lá no fundo as pessoas vão ver que erraram e vão nos chamar para uma despedida honrosa. Quero reencontrar a torcida do Corinthians e dar um adeus para ela, ver que a gente é querido e que poderia ter dado ainda mais ao clube".

Depois de um 2019 abaixo de sua média de atuação no Corinthians, Jadson mostrou que já pensava que o fraco desempenho poderia ser usado contra ele. Para o meio-campista, a sua saída não ficou apenas a cargo de Tiago Nunes.

"Eu vi que o ano não estava sendo bom e pensei: "se eu não for bem, vão se aproveitar disso?. Foi o que aconteceu. Não fui tão bem e se aproveitaram. O treinador novo não me queria, mas tenho certeza de que por trás tinham pessoas que também não queriam que eu ficasse lá no Corinthians", completou.

 

Jadson chegou ao Corinthians em 2014, vindo do São Paulo em troca envolvendo Alexandre Pato. Foram 245 jogos com a camisa alvinegra com 50 gols marcados. No período em que ficou no Timão, conquistou três títulos paulistas (2017, 2018 e 2019), e dois Brasileiros (2015 e 2017).

 

 

 

 

 

 

fonte.g1

COMENTÁRIOS